Summer Camp – Programa científico de verão da Cell Marque

Neste ano a aventura não será menos empolgante e te convidamos a fazer sua mala virtual, apertar o cinto e participar desta jornada educacional. Os confiáveis pilotos da CellMarque, palestrantes experts em diagnóstico em tecido irão levá-lo a seis roteiros pelo fascinante mundo da imunoistoquímica. Cada voo terá aproximadamente uma hora de duração e a língua oficial será o inglês.

Continuar lendo

Dezembro Laranja – Mês da prevenção e conscientização sobre o câncer de pele

Embora a técnica de imunoistoquímica e suas aplicações tenham possibilitado grandes avanços nos últimos 25 anos, os diagnósticos na especialidade da dermatopatologia ainda são em grande parte baseado na colorações por H&E. Apesar disso, há inúmeras situações onde a imunoistoquímica pode ajudar o patologista na definição de casos mais complicados.

Continuar lendo

O Câncer Infantil no Brasil

Quando analisamos por faixas etárias, os adolescentes têm a maior faixa de mortalidade (51,1/milhão), crianças de 0 a 4 anos (46,9/milhão), 5 a 9 anos em média de 37,9 mortes/milhão e crianças de 10 a 14, a média é de 37,1 mortes/milhão. Também foi apontado no estudo a mortalidade de crianças e adolescentes indígenas: 67,7 por milhão, o que é bem acima da média nacional.

Continuar lendo

Setembro Dourado – NKX2.2 e o diagnóstico de Sarcoma de Ewing

O sarcoma de Ewing é o segundo tumor ósseo mais frequente na infância e adolescência. Trata-se de um câncer altamente agressivo, e pode também surgir em tecidos de partes moles (músculos, cartilagens). Os avanços no tratamento levaram a uma melhora significativa dos resultados. Pacientes com doença localizada têm sobrevida em torno de 70-80%. Em pacientes com doença metastática (quando o câncer se espalhou), a sobrevida é em torno de 30%.1

Continuar lendo

Ainda sobre câncer colorretal: Síndrome de Lynch – Conheça nosso painel para avaliação imunohistoquimica das proteínas MMR

A Síndrome de Lynch (SL) é responsável por 3 a 5 % dos diagnósticos de câncer colorretal. Esta síndrome de predisposição ao câncer apresenta herança autossômica dominante e é causada por mutações germinativas deletérias em genes responsáveis por corrigir erros de pareamento de bases do DNA.

Continuar lendo
  • 1
  • 2
Fechar Menu