Citometria de Fluxo – Quantas famílias de fluoróforos você conhece? – Parte II

Citometria de Fluxo – Quantas famílias de fluoróforos você conhece? – Parte II

Que a citometria de fluxo é um processo extremamente importante dentro dos protocolos de imunologia todos já sabemos. Essa técnica nos permite contar grande número de células ou partículas baseadas em seu tamanho, complexidade interna, fenótipo, estado celular, função celular, conteúdo do DNA, expressão genética e quantificar todas essas propriedades no nível de uma única célula. No entanto, saber as aplicações da técnica e o protocolo apenas, não é suficiente para termos um bom resultado na análise do experimento.

Para que se tenha bons resultados nessa técnica é necessário entender a família dos fluoróforos para montar o painel de cores do experimento. Nesse segundo post das famílias de fluoróforos vamos conhecer melhor os fluoróforos orgânicos simples como: FITC, Alexa Fluor® dyes, Spark Fluors, Pacific Blue, dentre outros.

Os fluoróforos orgânicos simples são corantes produzidos sinteticamente. Devido ao seu tamanho pequeno, vários desses fluoroforos podem ser conjugados a um único anticorpo. Com uma química de conjugação mais simples esses fluoróforos são flexíveis e podem ser facilmente usados para produzir anticorpos customizados. Ao contrário dos fluoróforos à base de proteínas, os corantes orgânicos simples não são sensíveis a solventes orgânicos, como os usados em fosfo-flow, o que os tornam mais vantajosos para esse tipo de aplicação.

Corantes orgânicos são também solúveis, o que significa que  são menos suscetíveis à agregação e precipitação. Esses corantes são normalmente utilizados para microscopia graças a sua faixa de excitação e emissão mais discretas e portanto preferidos pela sobreposição limitado para outros canais.

Por fim, é importante ressaltar, que os corantes orgânicos simples são ótimos para marcação de alvos intracelulares e/ou intranucleares.

Dicas Brilhantes

Deixe uma resposta

Fechar Menu