Microscopia por fluorescência – Dicas Importantes para a análise por FISH

Para a hibridização fluorescente in situ (FISH), é necessário um microscópio de fluorescência. A configuração deste é composta por uma fonte de luz que emite luz de alta intensidade com um amplo espectro. Esta luz é filtrada por um filtro de excitação que transmite apenas um certo comprimento de onda e é desviado por um espelho dicróico (divisor de feixe). A luz desviada é focalizada na amostra pela lente objetiva.

Continuar lendo

A nova era da Citometria de Fluxo

A citometria de fluxo é uma ferramenta essencial para a maioria dos Imunologistas. Com a variedade de anticorpos, fluoroforos e equipamentos disponíveis no mercado, a falta de optimização de um experimento pode torná-lo confusos e frustrantes. A escolha correta dos fluoroforos nos permite expandir os limites da citometria de fluxo e desenvolver painéis de alto nível (> 22 cores) capaz de desmistificar um espectro fluorescente em uma variedade de detectores de emissão.

Continuar lendo

Webinar Cell Marque – The Issue With Tissue

Os tecidos controles são críticos para a validação dos testes em patologia cirúrgica. Há uma infinidade de características histológicas que são importantes para determinar a caracterização e o desempenho de um teste, em particular os anticorpos ou as sondas para hibridização. No entanto, existem muitas variações nos tecidos, o que significa que eles não são ideais em relação à padronização e à busca pelo controle de qualidade de excelência. Embora o tecido controle seja essencial, nem sempre é a ferramenta mais apropriada, sendo importante entender o objetivo e a adequação dos materiais utilizados.

Continuar lendo
Fechar Menu