Câncer pode ter relação com ambiente de trabalho

Levantamento realizado pelo INCA apontou 19 tipos de tumores malignos que podem ter relação com as profissões. Entre eles, o câncer de pele, laringe, fígado, leucemias, câncer de mama e pulmão.

Levantamento do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) revela que, pelo menos, 19 tipos de tumores malignos, entre eles os de pulmão, pele, fígado, laringe, bexiga e leucemias podem estar relacionados à atividade profissional e ao ambiente de trabalho do paciente. O dado consta da publicação “Diretrizes para a Vigilância do Câncer Relacionado ao Trabalho”, lançada pelo instituto, nesta segunda-feira, dia 30. De acordo com as estatísticas, o Brasil registrará este ano 20 mil novos casos de câncer relacionados à ocupação dos pacientes. A publicação está disponível no site do INCA pelo endereço www.inca.gov.br.

O levantamento, que reuniu as últimas pesquisas mundiais sobre câncer relacionado ao trabalho, revela desde as substâncias mais comuns associadas ao desenvolvimento de tumores malignos, como o amianto (ou asbesto) – classificadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como cancerígenas – até produtos aparentemente inofensivos, como poeiras de madeira e de couro, além de medicamentos, como os antineoplásicos, por exemplo.

Trabalhadores de profissões como as de cabeleireiro, piloto de avião, comissário de bordo, farmacêutico, químico e enfermeiros são mais propensos ao desenvolvimento desses tumores, justamente pela a estas substâncias.

“Raramente o médico pergunta ao paciente qual a ocupação dele. É importante que os profissionais da saúde questionem aos doentes diagnosticados com câncer qual foi a rotina laboral que exerceram por mais tempo em suas vidas. Só assim será possível identificar e registrar os casos de câncer relacionados ao trabalho no Sistema Nacional de Agravos do Ministério da Saúde (Sinan)”, alerta epidemiologista Ubirani Otero, responsável pela área de Vigilância do Câncer Relacionado ao Trabalho e ao Ambiente do INCA.

CONTEXTO – No Brasil, a Previdência Social concedeu, em 2009, 113.801 benefícios de auxílio-doença por câncer (acidentário e previdenciário), sendo que apenas 0,66% deste total foram registrados com base na relação ocupacional do paciente.

O diretor-geral do INCA, Luiz Antonio Santini, comenta que a publicação traz todo o conteúdo didático sobre os principais agentes cancerígenos, os tumores malignos por eles provocados e a associação com algumas ocupações específicas. “Os trabalhadores precisam de mais informações sobre os riscos no exercício de suas funções, porque as concentrações de substâncias cancerígenas, geralmente, são maiores nos ambientes de trabalho quando comparadas a outros locais”, explica. Santini informa ainda que, de acordo com as estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 440 mil pessoas morreram no mundo em decorrência da exposição às substâncias perigosas. Desse total, 70% foram vítimas de algum tipo de câncer.

PREVENÇÃO – De acordo com as diretrizes do INCA, para reduzir o número de tumores malignos relacionados com exposições ocupacionais, a principal estratégia consiste na eliminação ou redução da exposição aos agentes causadores. Desse modo, o primeiro passo para prevenir o câncer deverá ser a identificação de agentes conhecidos por causarem aumento do risco para a doença. A legislação já prevê alguns instrumentos capazes de auxiliar nessa identificação, como a ficha de informação de produtos químicos, a catalogação das empresas com a atividade ou uso de agentes cancerígenos, o reconhecimento e a avaliação de risco nos ambientes de trabalho, além do controle da exposição aos fatores de risco.

Os principais grupos de agentes cancerígenos relacionados ao trabalho incluem os metais pesados, agrotóxicos, solventes orgânicos, formaldeído e poeiras (amianto e sílica). A via de absorção (respiratória, oral ou cutânea), a duração e a frequência da exposição aos agentes nocivos influenciam a toxidade, mas esses dois últimos fatores não são fundamentais para o desencadeamento do processo da carcinogênese.

“A prioridade da prevenção é a remoção da substância cancerígena do processo das atividades exercidas pelos trabalhadores. Enquanto isso não acontece, as recomendações alternativas são: evitar a exposição e gradualmente eliminar o uso desses agentes, restringir o contato com cancerígenos a determinadas atividades, com a adoção de níveis mínimos de exposição, associado ao monitoramento ambiental cuidadoso, além da redução da jornada de trabalho diário”.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Alimentação saudável e exercícios previnem o câncer

Estima-se que neste ano cerca de 520 mil pessoas terão câncer no Brasil, sendo 257 mil em homens e 260 mil em mulheres, segundo dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer). Uma boa alimentação – que passa longe de embutidos, bolachas, sal entre outros – e exercícios físicos regulares ajudam a prevenir a doença, segundo especialistas ouvidos pelo R7.

A lista de alimentos considerados causadores da doença começa com os embutidos, como linguiça, salsicha, presunto, peito de peru. Segundo o nutricionista do Inca, Fábio Gomes, estes produtos contém conservantes que em contato com o sulco gástrico (produzido no estômago) são transformados em substâncias cancerígenas.

— O sal ou alimentos que possuam muito deste elemento, como o bacalhau, é prejudicial também. Ele provoca uma agressão no estômago que pode estimular as alterações nas células.

Além de evitar estes alimentos, Gomes afirma que o modo em que se preparam as carnes pode ser prejudicial à saúde. O ideal é que o peixe, o frango, a carne vermelha sejam preparadas no forno ou cozidas na panela.

— Quando submetidas a uma temperatura altíssima [chapa, grelhada ou frita], aparecerá um composto cancerígeno, que provocam mutação das células. Vai fazer um peixe, recomendo fazer uma moqueca, por exemplo.

Nos hábitos alimentares cotidianos, o nutricionista ainda conta que o ideal é evitar também produtos com muita concentração de quantidade de energia, como biscoitos, lanches, sanduíches, e bebidas açucaradas, como refrigerantes, sucos, mates.

Frutas, legumes, verduras e fibras são alimentos que ajudam a prevenir o câncer. Segundo Gomes, elas protegem as células de agressões que podem deixá-las doentes e desenvolver o câncer. Além disso, estes produtos possuem compostos que bloqueiam a chegada dos elementos cancerígena e, caso as células doentes se multipliquem, eles conseguem matar as defeituosas.

— O ideal é reduzir ao máximo ingerir alimentos pré-prontos e recorrer à alimentação mais fresca. Exercícios físicos ajudarão a prevenir ganho de peso e o equilíbrio hormonal, que evita o superestímulo de produção desenfreada de células.

Hábitos de vida
Apesar da evolução da medicina nos últimos anos, segundo a coordenadora de oncologia do Instituto do Câncer, Pilar Esteves Diz, a tendência é que a doença se torne a primeira causa de morte.

— Os tratamentos evoluíram muito, novas drogas etc. Mas é preciso que as pessoas mudem seus hábitos de vida. O câncer é uma doença de saúde pública.

Além de alimentação saudável, exames preventivos devem ser feitos periodicamente. De acordo com a médica, quanto antes a descoberta da doença, mais é possível de ser tratada e chegar à cura.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Estudo recomenda associação de ultrassom e ressonância à mamografia.

WASHINGTON — Os exames anuais que as mulheres fazem preventivamente para a detecção precoce de tumores cancerosos nas mamas poderiam ser refinados com o auxílio do ultrassom e da ressonância magnética, além da mamografia, mais comum, revelou um estudo feito nos Estados Unidos e divulgado nesta terça-feira.

A pesquisa, publicada na edição de 4 de abril do Jornal da Associação Médica Americana, demonstrou que estas duas técnicas ajudaram a detectar pequenos tumores cancerosos que passaram despercebidos em mamografias.

O estudo acompanhou 2.662 mulheres com risco elevado de desenvolver câncer de mama, particularmente devido a mamas densas e/ou a histórico familiar da doença. Elas concordaram em se submeter a três testes independentes em um ano, realizados aleatoriamente.

Os três testes detectaram um total de 111 cânceres, o correspondente a 2,6% do total do grupo.

A mamografia, que é um exame de raio-X de baixa dose de radiação, detectou 59 cânceres ou 53% do total dos cânceres encontrados.

O ultrassom, um exame que usa ondas sonoras para gerar uma imagem do funcionamento interno do corpo e costuma ser usado em grávidas, detectou 29% dos tumores cancerosos.

Exames de ressonância magnética, que usam o campo magnético combinado com pulsos de rádio-frequência, identificaram 8% dos cânceres que os outros dois métodos não conseguiram detectar.

Onze cânceres ou 11% não foram detectados por nenhum dos três métodos, destacou o estudo.

“Exames anuais de ultrassom podem detectar cânceres de mama pequenos, nódulo-negativos, que não são vistos na mamografia”, destacou o estudo.

“A ressonância magnética pode revelar cânceres de mama adicionais, que não foram identificados pela mamografia ou pela ressonância magnética”, acrescentou, ressaltando que a técnica não é adequada para todos os pacientes e representa custos e riscos mais elevados do que os outros métodos.

Segundo Kristin Byrne, chefe do centro de imagens de mama do Hospital Lenox Hill, em Nova York, o estudo mostra que métodos alternativos de testagem podem ajudar a identificar cânceres que a mamografia não conseguiu detectar.

“Quase a metade dos cânceres não teriam sido detectados com a mamografia sozinha”, afirmou Byrne, que não participou do estudo.

“O câncer de mama é difícil de detectar pela mamografia em pacientes com tecido mamário denso. O ultrassom e a ressonância magnética detectam um número significativo de cânceres de mama que não são vistas na mamografia em pacientes com tecido mamário denso”, acrescentou.

“Exames adicionais de ressonância magnética e ultrassom são importantes em pacientes com alto risco e que tenham mamas densas para a detecção precoce” da doença, concluiu.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Senador participa de comemoração dos 50 anos do Hospital do Câncer de Barretos .

O senador Antonio Russo participou no último sábado (24/03) do evento comemorativo dos 50 anos do Hospital do Câncer de Barretos. Na ocasião, foi inaugurado a unidade de tratamento infanto-juvenil Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com participação de celebridades como a apresentadora Xuxa e o apresentador Gugu Liberato.

O Hospital do Câncer de Barretos é uma referência mundial de tratamento da doença. Nos últimos anos realizou investimentos em modernos equipamentos, fruto de campanhas de doações e apoio político e governamental, tornando-se no principal centro de cura de câncer do País.

O senador Antonio Russo destinou cerca de R$ 2, 3 milhões de recursos orçamentário para o Hospital do Câncer de Barretos. O recurso será usado para a aquisição de uma unidade móvel ( ônibus) equipado com aparelhos para diagnóstico, triagem e acompanhamento pós operatório.

Segundo o senador, uma parcela significativa de doentes com câncer de Mato Grosso do Sul são tratados anualmente no HC de Barretos, o que “justifica a parceria que estamos fazendo para atender as famílias que para lá se deslocam para receber atendimento”

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Patologia Molecular.

Atualmente, com o desenvolvimento das técnicas moleculares, é possível identificar sequências de nucleotídeos (DNA ou RNA) em células ou cortes histológicos. Na hibridização in situ, são utilizadas “sondas” específicas marcadas com fluorocromo (FISH) ou associadas com um sistema de detecção cromogênico (CISH) para a avaliação de tumores e/ou doenças genéticas.

http://www.inopat.com.br/patologiamolecular.html

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Saiba como cuidar bem dos rins

Essa dupla dinâmica pode correr sérios riscos em silêncio. Saiba como evitar problemas renais com atitudes bem simples.

Apenas 150 gramas muito bem distribuídos em 12 centímetros de altura (clique na imagem para conferir a explicação) — parece pouco, principalmente quando comparados a pulmões e fígado. Porém, os rins são responsáveis por funções vitais no organismo. E, quando esses pequenos notáveis convalescem, é encrenca na certa: a doença renal crônica (DRC), mal que não costuma avisar sobre sua existência, destrói as estruturas renais até chegar ao ponto em que o órgão para de funcionar.

“DRC é o termo que se refere a todas as doenças que afetam os rins por três meses ou mais, o que diminui a filtração e afeta algumas de suas atribuições”, explica a nefrologista Gianna Mastroianni, diretora do Departamento de Epidemiologia e Prevenção da Sociedade Brasileira de Nefrologia. O problema é tão sério que renomadas instituições brasileiras criaram a campanha Previna-se, vencedora do Prêmio SAÚDE 2011 na categoria Saúde e Prevenção. “Nem sempre as doenças renais têm sintomas. Em muitos casos, o indivíduo não percebe e o diagnóstico é feito com atraso”, completa Gianna.

Apesar de ser caracterizada como uma doença silenciosa, a DRC pode dar alguns sinais. No entanto, quando eles aparecem, costuma ser tarde demais. “O rim é um órgão muito resistente, e esses sintomas só vão se manifestar nos estágios 4 e 5 do problema, quando ele está muito avançado”, conta o nefrologista Leonardo Kroth, da Sociedade Gaúcha de Nefrologia. Além de só surgirem em situações extremas, muitas dessas manifestações tendem a ser confundidas com outras enfermidades. Daí a importância de sempre visitar o médico e pedir os exames que detectam as alterações indesejadas nos filtros do corpo humano.

Quando a DRC bate à porta

E se a pessoa descobrir que seus rins não estão trabalhando como deveriam? “Ela precisa se consultar periodicamente com um nefrologista, fazer exames com regularidade, cuidar muito bem da pressão arterial e da glicemia, além de outras modificações que ocorrem na doença renal, como mudanças nos níveis de cálcio e fósforo”, atesta Marcos Vieira, diretor clínico da Fundação Pró-Rim, em Santa Catarina.

Nos casos em que a DRC progrediu além da conta e os rins perderam grande parte de sua capacidade de eliminar a sujeira do organismo, o indivíduo pode optar por dois caminhos: receber o rim de algum doador compatível ou seguir para a diálise. “Ok, alguns pacientes não têm condições clínicas de realizar um transplante. Mas, nos demais, esse é o tratamento de preferência”, esclarece Vieira.

No entanto, a ausência de alguém que esteja apto a doar um de seus rins faz com que a maioria dos convalescentes siga para a hemodiálise, quando uma máquina substitui as principais funções que eram realizadas pelo aparelho excretor. Algumas atitudes simples podem eliminar muitos desses transtornos. Confira a seguir como manter essa dupla a todo vapor.

Diabete e pressão na rédea curta
Quando esses marcadores estão em níveis exagerados, a probabilidade de desenvolver a DRC é ainda maior. Além da aterosclerose, a formação de placas de gordura, sobretudo na artéria renal, há uma sobrecarga do trabalho de filtração dos rins. “E a incidência dessas duas doenças vem aumentando nos últimos anos, algo agravado pelo envelhecimento da população, além de sedentarismo e obesidade”, diz Gianna Mastroianni. Nos casos em que o estrago já foi feito, a primeira medida é ficar de olho na pressão e no diabete.

De bem com a balança
Manter-se no peso ideal também é uma regra de ouro para seguir com os rins a mil. Indivíduos com o índice de massa corporal (IMC) nos parâmetros saudáveis ficam protegidos dos pés à cabeça e, nesse pacote de benesses, os filtros naturais saem ganhando. “Hoje em dia, existe uma epidemia mundial de obesidade. O excesso de peso leva à hipertensão e ao diabete. Quando hábitos saudáveis são adquiridos, o risco de sofrer com um problema no rim é bem menor”, destaca o nefrologista Nestor Schor, da Universidade Federal de São Paulo.

Alimentação equilibrada, rins a salvo
Tomar cuidado com o excesso de gordura e ingerir alimentos ricos em vitaminas e fibras vai colaborar bastante para a manutenção das funções renais. Quando o indivíduo já sofre com a DRC, é provável que seja obrigado a fazer algumas mudanças em seu cardápio. “Aí é importante adotar uma dieta com menor quantidade de proteína para evitar a sobrecarga renal”, afirma Marcos Vieira. Esse menu deve ser avaliado pelo médico e por um nutricionista.

Analgésicos só com orientação
Remédios só deveriam entrar em cena com a indicação de um especialista. Até mesmo quando aparece aquela simples dor de cabeça, fuja da automedicação. Na hora, ela pode até ser solucionada, mas, a longo prazo, quem pode sofrer são seus rins. “Tanto os analgésicos quanto os anti-inflamatórios são capazes de prejudicá-los, se tomados em excesso, porque favorecem a ocorrência de doenças renais”, alerta Nestor Schor. Procure sempre orientação médica para identificar o causador do incômodo e debelá-lo da melhor maneira possível.

Devagar com a bebida
Quando ingerido com parcimônia, o álcool pode até beneficiar o trabalho dos rins. Os experts chegam a recomendar uma ou duas doses bem pequenas. Porém, enfiar o pé na jaca não vai agradar aos pequenos filtros, que sofrem indiretamente. “Em excesso, o álcool pode causar hipertensão, que vai evoluir até gerar problemas renais”, adverte o nefrologista André Luis Baracat. A bebida também causa prejuízos ao fígado, o que, em última instância, vai desembocar em um estrago nos rins.

Apagar o cigarro em definitivo
No personagem principal desta reportagem, a atuação do fumo é tão nefasta quanto em outras partes do corpo. E a explicação está no surgimento de pequenos bloqueios, as placas de gordura, que diminuem o calibre dos tubos por onde circula o sangue. Isso causa problemas de pressão que, por sua vez, levam à DRC. “Os rins são cheios de vasos sanguíneos. O cigarro desencadeia inflamações que prejudicam o órgão”, destaca o nefrologista André Luis Baracat, do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

A prevenção ao câncer é na rotina da vida”, diz administrador

Uma doença perigosa e silenciosa, que não escolhe idade, cor, gênero ou raça. É o câncer, que atinge milhares de brasileiros todos os anos e que, para ser combatido com eficácia, precisa ser descoberto ainda em estágio inicial.

De acordo com uma estimativa divulgada pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), do Ministério da Saúde, em 2012, o Brasil deverá registrar cerca de 520 mil novos casos da doença.
As estimativas apontam que os tipos de câncer mais incidentes no país são o de pele, devido à exposição massiva da população ao sol nos horários não recomendados, como das 10 horas às 16 horas. O segundo tipo mais diagnosticado é o de mama, no caso das mulheres (com 52,7 mil novos casos previstos para 2012), e o de próstata, nos homens (com 60,2 mil novos casos registrados em 2011).
No Estado, a unidade que é referência no tratamento de pacientes com a doença é o Hospital de Câncer de Mato Grosso, instituição inaugurada em fevereiro de 1999 e que presta serviços por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e de convênios particulares.
Atualmente, a unidade dispõe de 126 leitos, sendo 106 cadastrados no SUS, divididos entre enfermarias de clínicas médica, cirúrgica, pediátrica e Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Somente em 2011, foram realizados 47 mil atendimentos, dos quais pouco mais de 40 mil resultaram em procedimentos.
Neste ano, o Hospital de Câncer vai ganhar um “presente”. A instituição irá sediar a Casa Cor 2012 – um dos maiores eventos de arquitetura e decoração do país -, no antigo pavilhão de 3,6 mil m², localizado anexo ao hospital e que está com a reforma paralisada há mais de dez anos.
No final do evento, toda a estrutura montada pela Casa Cor ficará de legado para o Hospital de Câncer e será tranformado em mais ambulatórios e consultórios, que prometem triplicar o número de atendimentos mensais, que hoje gira em torno de 4 mil.
Após a reforma da nova ala, serão construídos 16 novos consultórios, oito leitos de urgência e emergência, sala para fisioterapia, biópsia, exames ginecológicos, além de uma ala administrativa e de um Departamento de Desenvolvimento Institucional.
O MidiaNews conversou com o presidente da Associação Mato-Grossense de Combate ao Câncer, João Castilho Moreno, para entender o funcionamento e as dificuldades enfrentadas pelo Hospital de Câncer de Mato Grosso.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Saiba os alimentos que podem causar câncer.

A substância cancerígena 4-metinilizadol (4-MI), também chamada de corante caramelo, está presente nos refrigerantes tipo cola (Coca-Cola e Pepsi são os mais conhecidos) e também em outros produtos que fazem parte da dieta pouco saudável do brasileiro.
Cerveja, achocolatados, doces de confeitaria, molhos curry e vinagre, além de salsichas, sopas e sucos industrializados são só alguns exemplos.
Na semana passada, um comunicado feito pelo Instituto de Defesa do Consumidor dos Estados Unidos alertou sobre o risco aumentado de câncer em camundongos expostos às doses altas do 4-M1.
A entidade – sigla em inglês CSPI – pediu providências do órgão sanitário norte-americano, o FDA, que regula o consumo de alimentos e medicamentos nos EUA. O FDA se posicionou dizendo que ainda não há evidências sólidas sobre os prejuízos acarretados à saúde humana e que seria necessário beber “mil latinhas de refrigerante por dia para ter algum efeito tóxico”.
Ainda assim, o estado da Califórnia (EUA) determinou a redução da substância nos refrigerantes cola de 150 mg para o limite máximo de 29 mg – caso contrário, mensagens de alerta sobre as sequelas tóxicas devem estampar as embalagens dos produtos.
A Coca-Cola, em comunicado oficial, anunciou que pode modificar a sua fórmula, sem que o sabor ou coloração do produto sejam alterados. Nos Estados Unidos, a modificação na produção industrial já começou, conforme noticiou o jornal inglês The Guardian

Alimentos desnecessários
Apesar dos refrigerantes terem motivado a discussão sobre a segurança do consumo do corante caramelo, a bebida gaseificada não é a única que utiliza esta substância.
Uma revisão de estudos realizada no ano passado pela European Food Safety Authorty (EFSA) informou que entre as principais fontes alimentícias de 4-MI no continente europeu estão, além de refrigerantes, a cerveja, os achocolatados, as salsichas, os doces de confeitaria, o vinagre, o molho curry, os temperos em geral, além do pão de malte, sucos industrializados entre outros.
No painel divulgado, a EFSA alertou que não foi comprovado o efeito cancerígeno em humanos devido o consumo do corante mas que ainda são necessários “mais estudos”.
“Muitos alimentos utilizam o corante caramelo além dos refrigerantes, doces e balas de caramelo, por exemplo”, afirma o toxicologista do Instituto da Criança da Faculdade de Medicina da USP, Anthony Wong.

Não temos nenhuma evidência, entretanto, de que o efeito tóxico da substância (4-MI) é cumulativo e nem sabemos qual é a dosagem consumida com base nestas diversas fontes”, completou. “Mas o fato é que os alimentos que utilizam o corante não são, por essência, saudáveis. De qualquer forma, eles devem ser consumidos com moderação independentemente da associação com a substância cancerígena.”
O professor de toxicologia e farmacologia da Universidade de Caxias do Sul, e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Toxicologia, Carlos Augusto Mello da Silva, alerta que ainda é preciso esperar evidências sólidas sobre o real risco do corante e o posicionamento dos órgãos reguladores.
“Mas para as pessoas que estão apreensivas, é bom alertar que o corante não é um nutriente essencial à saúde. Em vez de refrigerante, pode se optar por sucos de frutas naturais ou água mineral”, sugere.

No Brasil

Na avaliação de Wong, a restrição mais incisiva ao uso do corante caramelo deveria ser adotada como norma sanitária no País, como foi feito recentemente com a utilização do bisfenol A – composto cancerígeno presente em mamadeiras e chupetas, proibido no ano passado.
Comida enlatada favorece obesidade
“A Califórnia é um estado que dita as normas de segurança ambientais e alimentícias para o mundo. Precisamos ficar atentos”, disse o toxicologista.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, por meio da assessoria de imprensa, que “acompanha o caso da restrição do 4-MI” mas que não há previsão de nenhuma alteração nas quantidades máximas da substância nos refrigerantes.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Nasce 1º bebê brasileiro selecionado geneticamente para curar irmã…

Nasceu sábado passado o primeiro bebê brasileiro selecionado geneticamente em laboratório de modo a não carregar genes doentes e ser totalmente compatível com a irmã – que sofre de talassemia maior, uma doença rara do sangue que, se não for tratada corretamente, pode levar à morte. Maria Clara Reginato Cunha, de apenas 4 dias, nasceu no Hospital São Luiz para salvar a vida de Maria Vitória, que tem 5 anos e convive com transfusões sanguíneas a cada três semanas e toma uma medicação diária para reduzir o ferro no organismo desde os 5 meses.

Nos pacientes com talassemia major – a mais grave e a que realmente precisa de tratamento -, a medula óssea produz menos glóbulos vermelhos e, consequentemente, não consegue fabricar sangue na frequência necessária, podendo causar anemias graves. No Brasil, são pouco mais de 700 pessoas com a doença.

Selecionar embriões saudáveis para tentar salvar a vida de outro filho doente não é novidade – esse procedimento é feito no mundo todo desde a década de 1990. A novidade, neste caso, é que além de não carregar o gene da talassemia major, o embrião selecionado (Maria Clara) também é 100% compatível com Maria Vitória, o que vai facilitar a realização de um transplante de sangue de cordão umbilical.

Segundo o geneticista Ciro Dresh Martinhago, a técnica usada para identificar os genes doentes e também a possível compatibilidade é a mesma – de biologia molecular -, mas exige mais conhecimento específico no caso de analisar a compatibilidade. “A gente coleta uma única célula do embrião para fazer a análise molecular. Ao todo, verificamos 11 regiões do DNA da célula, sendo 2 relacionadas ao gene alterado e 9 relacionadas à compatibilidade, que é mais complexa”, explica o médico, diretor da RDO Diagnósticos e responsável pela análise genética.

De acordo com ele, as chances de um casal gerar embriões que sejam compatíveis e não carreguem o gene doente são de apenas 18% – daí a importância da ciência nesses casos. Além disso, a dificuldade de realizar a técnica e a falta de profissionais experientes nessa área são alguns dos motivos que fazem o método ser pouco usado. O primeiro caso de seleção de embrião 100% compatível no mundo aconteceu em 2004. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Autorizado novo tratamento para leucemia pediátrica

Crianças e adolescentes portadores de Leucemia Mielóide Crônica (LMC) e Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA) passam a contar com mais uma opção de tratamento para estas duas doenças. Publicadas no Diário Oficial da União desta sexta-feira (17), as portarias 114 e 115 estabelecem as diretrizes diagnósticas e terapêuticas para o uso do medicamento Glivec em casos diagnósticos de LMC e LLA.

“As portarias representam um importante avanço porque permitem uma opção de tratamento medicamentoso eficaz, menos doloroso e de mais fácil administração em crianças e adolescentes” , observa o secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães. O medicamento Glivec (cujo princípio ativo é o Mesilato de Imatinibe) é utilizado na forma de comprimido e, desde abril do ano passado, é adquirido de forma centralizada pelo Ministério da Saúde para distribuição, por meio das secretarias de saúde, aos hospitais oncológicos públicos ou conveniados ao Sistema Único de Saúde.

As diretrizes estabelecidas nas portarias 114 e 115 são resultado de duas consultas públicas abertas, pelo Ministério da Saúde, no último mês de novembro. Além de terem sido submetidas a contribuições da sociedade e de especialistas em onco-hematologia de renomados centros médicos nacionais, elas passaram por rigorosa análise da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS (Conitec) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ou seja, os protocolos estão respaldados por estudos clínicos aprofundados e passam a integrar as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas em Oncologia.

Atualmente, o Glivec é indicado pelos médicos para o tratamento de aproximadamente sete mil pacientes oncológicos (adultos) assistidos pelo SUS.

INCIDÊNCIA

Este ano, estima-se que surjam, no país, cerca de 11,5 mil novos casos de câncer pediátrico de todos os tipos, incluindo as leucemias Mielóide Crônica (LMC) e Linfoblástica Aguda (LLA). Só em 2011, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 112 milhões para o tratamento de neoplasias malignas em crianças e adolescentes. Estes recursos representaram cerca de 7% do investimento federal em toda a assistência oncológica pelo SUS.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário